• Nutrição
  • Trigo é utilizado para a dieta do gado: seja em forma de pasto ou silagem

    14/04/2021
    Quando pensamos em alimento para o gado a primeira cultura que vem a cabeça são as pastagens mais utilizadas como Marandu ou Brachiarão, outras espécies de Brachiaria ou mesmo o Capim Mombaça, agora você já ouviu falar em trigo? Sim, o trigo já não serve apenas como produto para o famoso alimento de nossa dieta básico, o tradicionalíssimo pão, mas está sendo utilizado tanto como alimento em pastagem quanto para armazenado em silagem ou pré-secado para o gado.

    Por Camila Gusmão MTB. 63.035
    Redação: Portal Boi a Pasto

    Segundo Luiz Henrique Michelon, engenheiro agrônomo e técnico em Nutrição Animal da Biotrigo, a cultura do trigo para produção de volumoso conservado, seja na forma de silagem ou de pré-secado, se encaixa perfeitamente no sistema de produção, principalmente por ser empregada no período do inverno.“É uma ferramenta que possibilita a produção de volumoso, em quantidade satisfatória, apresentando elevados valores nutricionais com bons teores de amido, especialmente em uma época do ano onde normalmente o pecuarista deixava esta área parada. A utilização do trigo proporciona também segurança, pois o produtor dilui seu risco em duas safras (verão/inverno) gerando uma otimização das áreas, além da possibilidade de reduzir a área para produção de volumoso no verão, liberando para outras culturas de maior valor agregado ou até mesmo aumentar o número de animais, uma vez que a oferta de alimento tende a ser maior”, afirma.

    De acordo com o especialista, atualmente a referência de volumoso conservado em forma de silagem é o milho, porém, em momentos de baixa oferta de importante componente da dieta, é fundamental ter uma segunda opção, com isso o produtor consegue se ajustar dentro da pecuária de acordo com as características do seu rebanho.“A utilização de trigo conservado na dieta de ruminantes tem se mostrado um importante ingrediente pois, além da alta qualidade nutricional, energia e proteína, possui uma fibra efetiva de excelente qualidade, o que é fundamental quando procuramos alimentos que possibilitem o correto funcionamento do rúmen,com excelente aproveitamento de nutrientes”, explicou Michelon.

    Trigo x forrageiras

    Segundo Michelon, a utilização do trigo para pastejo permite com que o produtor realize a semeadura a partir da metade de fevereiro, desde que as condições climáticas estejam favoráveis, principalmente a questão hídrica, pois a cultura possui uma resistência genética maior quando comparado as demais culturas utilizadas como fonte de forragem de inverno. “Essa semeadura antecipada proporciona ao produtor ofertar um pasto de excelente qualidade nutricional no período do ano onde as pastagens de verão estão encerrando seu ciclo, geralmente quando se reduz qualidade nutricional, devido ao alto teor de lignina. Com a utilização do trigo,o produtor tem à disposição, altaoferta de biomassa, com ótima qualidade nutricional (altos teores de proteína) e palatabilidade, podendo ser ofertado a gado de leite, gado de corte, ovinos e equinos”, explicou.Sobre o valor nutricional dotrigo, como fonte de volumoso, conservado na forma de pré-secado possui, segundoo engenheiro agrônomo e técnico em Nutrição Animal da Biotrigo,uma excelente qualidade de fibra, com elevado teor de proteína.

    “Quando o produtor opta pela produção de silagem, além da alta digestibilidade da fibra estamos aliando o amido, com alto aproveitamento desta energia em forma de amido, possibilitando ao produtor poder escolher com qual categoria animal vai trabalhar essa alimentação. Assim sendo, temos uma fonte de volumoso conservado e produzido para o  inverno e que pode ser utilizado perfeitamente dentro da propriedade a fim de suprir uma demanda nutricional maior. Com a utilização do trigo para pastejo temos uma excelente oferta de MS (matéria seca), com alta palatabilidade associada a uma excelente digestibilidade.”



  • Falta de assistência técnica é gargalo para atingir metas de metano e carbono

  • Firmados na COP26, pactos para diminuir emissão de gases de efeito estufa estão distantes de produtores que carecem de extensão rural pública

    + leia mais
  • Aumento de 35% na probabilidade de prenhez e 30% mais peso nos bezerros desmamados

  • Esses números são possíveis com o uso da suplementação alimentar específica para vacas durante o período reprodutivo

    + leia mais


  • Criação de sites