• Nutrição
  • Qual é o melhor capim para engordar gado?

    22/06/2021
    O engenheiro agrônomo Wagner Pires, pós-graduado em pastagens pela Esalq-USP e consultor do Circuito da Pecuária, no Giro do Boi esclarece dúvidas sobre o melhor capim para engordar gado.

     

    Será que existe uma resposta certeira? Conforme explicou o agrônomo, os Panicuns costumam ser mais produtivos que as Braquiárias para a engorda dos animais, porém exigem mais fertilidade do solo, ou seja, o planejamento forrageiro e a gestão da fazenda devem ser mais avançados que a média para a obtenção de todo o potencial.

    Confira na sequência as variedades sugeridas por Wagner Pires, além de respostas a outras questões enviadas pelos telespectadores do Giro do Boi:

    Qual o melhor capim para a engorda de gado? Seria o Braquiarão? (Maria Quintão, região metropolitana de Belo Horizonte-MG)

    Pires: Os Panicuns são os capins mais produtivos que nós temos. Aí você tem o Paredão, você tem o Quênia, você tem MombaçaZuri, você tem vários. Todos eles vão bem na região de BH. Agora você deve tomar muito cuidado porque BH é área amorrada, então cuidado com o Panicum, porque ele não protege muito o solo. e aí você pode ter algum problema. Então você pode reservar os Panicuns para as áreas mais planas da fazenda.

    Tenho 40 cabeças em 20 hectares, no sistema rotacionado, e deixo eles pastarem das 4 da tarde às 10 da manhã do dia seguinte para, com isso, ter uma maior quantidade de dejetos no solo. Qual o benefício e o malefício neste experimento? (Sarquis Filho, de Urucará- AM)

    Pires: O que você está fazendo não tem nada de ruim. O problema é você contar só com o excremento do boi para melhorar a fertilidade do solo porque os dejetos deles são muito espaçados e ficam lugares sem cair o dejeto. Mas desde que você esteja respeitando a altura de entrada e de saída, tudo bem, pode continuar.

    Não pode (contar só com esterco para fertilizar o solo). Tem que fazer uma adubação, tem que melhorar, tem que intensificar porque é a única forma que ele tem para obter lucratividade.
    […>
    rola-bosta é bastante interessante porque o nome dele já fala: ele faz uma bolinha e enterra, esquece aonde enterrou e sai fazendo outra. Então ele coloca todo o excremento que está na superfície e joga para baixo. Isso ajuda muito. Mas o que acontece? Somente o excremento não é suficiente somente porque o excremento se perde muito por lixiviação, por evaporação, ele volatiza o nitrogênio… Então tem que haver um aporte de fertilizante.

    Gostaria de sua opinião sobre o MG12. O Paredão produz bem em temperaturas abaixo de 16º C no inverno? O frio aqui é bem rigoroso e eu quero rotacionar, mas acho que não vai dar certo por causa das baixas temperaturas. (Marco Túlio Ferreira, de Patos de Minas, “terra de grandes cafeicultores e também da famosa Festa do Milho”)

    Pires: Patos de Minas hoje é um grande centro do agronegócio. […> Você pode tranquilamente (plantar)! Os Panicuns, de uma maneira geral, aguentam temperatura até abaixo de 16 graus. Eu já vi Panicuns plantados, por exemplo, em região do Equador com mais de 2.000 metros de altitude e ele vai bem. É claro que ele pode pegar uma geada, sentir um pouco. No Sul do Brasil tem muito Panicum plantado, então pode ficar tranquilo. E o Paredão MG12 não é exceção. Ele aguenta, sim.

    Tenho 40 vacas em uma área de 25 hectares e tenho mais vinte vacas para colocar nesta área, totalizando 65 cabeças. Como proceder para melhorar a capacidade de suporte da pastagem para poder colocar essas 65 vacas nesta área? Faço análise do solo, aplico corretamente na área toda, adubo toda área ou só um pouco? (Vinicius Garcez Alves, de Turvânia, região central do estado de Goiás)

    Pires: Vamos considerar que o seu gado tenha um peso em torno de 450 quilos. Então você vai ter 2,6 unidades animais por hectare (UA/ha). É uma taxa boa, mas é uma taxa de lotação que, para você manter o ano todo, você vai ter o estresse da seca. E Goiás não perdoa, não! Às vezes a gente tem um período de seca bem sofrido, então o que eu orientaria? Você pegar esses 25 hectares que você tem, reservar uns dois hectares e fazer uma capineira, de repente, bem adubada. De repente até conseguir montar um projetinho de irrigação e aí você fica tranquilo porque, na seca, você ia tirar da capineira e suplementar o seu gado. Eu acho que isso é bastante interessante. Ou então criar uma estratégia de cocho, dar um milho, porque aí em Goiás tem muita agricultura e vai te ajudar bastante.

    Gostaria de saber qual o máximo de água devo colocar por hectare em irrigação por aspersão em pastejo rotacionado de Mombaça. (Thiago Amaral, de Guaçuí-ES)

    Pires: Isso varia muito. Não dá para eu dar um chute para você porque depende da temperatura da sua região, depende do tipo de solo. Às vezes você joga água, mas é um solo mais arenoso, a água infiltra toda e vai embora, por exemplo, aí você teria que jogar uma lâmina maior. Então não dá para eu orientar. Mas eu posso te dar um parâmetro porque em Alagoas eu presto consultoria para uma fazenda com área irrigada de Panicum Zuri. Lá a gente trabalha dia sim e dia não com 5 mm de lâmina de água em cima do Panicum. Praticamente todo o ano a gente trabalha em cima disso. Quando eu tiro o gado, eu dou 10 mm para dar uma molhada e adubar. Esse é o parâmetro que a gente trabalha.

    É permitido plantar capins no Pantanal em áreas que não inundam, como Capiaçu, Mombaça e Tifton? (Roberto Sahade, de São Paulo-SP)

    Pires: Desde que você respeite as leis ambientais, não há problema. Pode colocar qualquer gramínea na parte alta. É muito importante que você não esteja plantando numa área de reserva ou de APP. Fora disso, você faz o que você quiser. No Brasil não existe zoneamento de gramíneas que te obrigue a plantar só determinado tipo de gramínea. Você que escolhe. Então respeite as regras do órgãos ambientais e, o restante, você faz do jeito que quiser.

    Adquiri uma propriedade na cidade de Palmeira, em Santa Catarina. Tenho 25 hectares de pastagem, arrendei para um agricultor plantar lavoura agora no verão e, em março, ele me entrega com pasto plantado, ou seja, pasto de inverno, pois aqui o frio é bem intenso. Pretendo colocar 50 a 60 terneiros de um ano e meio ano para engorda e gostaria de saber que suplemento devo fornecer fora a pastagem. Poderia me ajudar? (Alexander Marquetti, de Palmeira-SC)

    Pires: O que você pode fazer é comprar um feno. Feno é muito bom, desde que ele tenha uma procedência boa. E aí você estoca ele para alguma emergência. O que acontece? Com certeza este pasto de inverno que você está recebendo não dá um volume de massa que o gado vai necessitar, então você pode passar um apuro aí. O feno você pode deixar estocado e, se você usou, tudo bem, mas se não usou, ele fica lá. Então você não perde esse alimento. Eu acho que você não pode entrar no período de seca somente contando com esse pasto de inverno porque você pode passar a sofrer bastante.

    Gostaria de saber mais sobre semeadura de Braquiária a lanço depois do plantio do milho safrinha. Qual a recomendação de quilos por hectare e qual a melhor variedade de milho para ser aplicado? (Valter Martins, de Juranda-PR)

    Pires: Vamos considerar que existe uma competição do milho para com o capim por nutrientes e água. Então vamos colocar uma dosagem de capim elevada. O que eu vou te recomendar? Eu não sei qual é a semente que você está comprando, então a conta que você vai fazer é a seguinte: você vai olhar o valor cultural da semente que você está comprando e você vai dividir 480 pontos de valor cultural pelo valor que você está comprando. Imagine você comprando uma semente de 60 de valor cultural. 480/60 é a dosagem que você vai plantar. Quanto ao milho, o que você deve procurar? Você deve procurar um milho que[…> para você fazer silagem, porque o milho para silagem não judia tanto do capim. Se você pensa em grão, qual é o problema? Fortaleça bem, plante cedo porque você vai colher o grão já na entrada da seca, então não vai ter muita chance de rebrota (do capim).

    Outra coisa: nós estamos vivendo momento de La Niña, então muito cuidado porque nesse ano a gente pode ter uma surpresa meio negativa em termos de clima, uma seca pior que no ano passado. Tem que estar preparado para isso. O La Niña judia muito no Sudeste e no Sul, então a gente tem que ficar atento quanto a isso. Talvez seja interessante para a opção da silagem porque você consegue colher e ainda ter alguma chuva.

    Quero fazer um pastejo rotacionado e tenho dúvidas de qual seria o melhor tamanho dos piquetes? Um alqueire goiano, ou seja, 4,84 hectares, é um bom tamanho? (Thales Cardoso França, de Buriti Alegre-GO)

    Pires: É um bom tamanho, sim, mas o que vai decidir esse tamanho é o lote que você quer trabalhar. Você tem que ter um pasto onde o gado consiga consumir em três a seis dias, no máximo, toda aquela massa para você mudar para o próximo pasto. Se for um pasto muito grande, você não vai ter condição e você vai ter que trabalhar com um lote muito grande – e isso às vezes é ruim. Então a conta é inversa. Você diz o tamanho do lote e aí você faz essa adequação e vai trabalhando. É preferível que você comece com um lote menor e vá aumentando esse lote até você estabilizar certinho o seu rotacionado. Cuidado com entrada e saída para não estragar.

    Tenho aqui uma lavoura de capim, fiz adubação com supersimples em março do ano passado, mas devido à falta de chuvas, ela não cresceu como tinha que crescer. Eu coloquei oito matrizes leiteiras e logo após fiz cobertura com ureia, mas o capim ainda não desenvolveu. O que devo fazer? (José Miguel, de Cachoeirinha-TO)

    Pires: Primeira coisa: você falou que você tem uma lavoura de capim. Você fez calagem? Então é muito importante essa informação. Você fez análise do solo, corrigiu o pH? Aí tudo bem, você pode partir para um fósforo. Se você não fez, a lição de casa está errada. Você tem que começar pela análise, pela calagem, pelo gesso e aí você vai para o fósforo. Outra coisa é que conheço muito bem o Tocantins e eu não considero o super simples uma fonte de fósforo ideal para o estado porque ele é de alta solubilização, então você pode ter perdas. Ele fica disponível para a planta rapidamente e um ano depois você tem que repor. O ideal seria você trabalhar ou com fosfato natural reativo ou um fertilizante que tenha as duas fontes, o fosfato natural e o super simples.

    Quais os capins mais indicados para áreas do sertão paraibano, onde a pluviometria varia de 700 a 800 mm ao ano e com solos profundos? Com relação à Humidicola, qual a palatabilidade dela e já tem plantios por aqui? (Ênio Ricardo, da Paraíba)

    Pires: Tem gente que planta, sim (Humidicola no sertão nordestino). O problema da Humidicola é o seguinte: o sistema radicular dela é muito superficial. Quando vem a seca, o solo seca, a Humidicola não consegue pegar água lá embaixo. Então não é um capim muito recomendado para áreas de sequeiro.

    Veja bem, pela descrição que você está me dando, eu volto a falar nele, que é um capim que está entrando e, se Deus quiser, esse ano a gente já vai ter disponível, que é o Camelo. O Camelo aguenta 500 mm de chuva por ano e vai entrar esse ano ainda no mercado.

    Tenho um sítio que no inverno fica um pouco alagado no período de dois meses. Comprei as sementes de capim Humidicola, mas no pacote veio dizendo que é capim Llanero. Será que é outro tipo de Humidicola? Esse Llanero é a mesma Humidicola? E ele suporta solos com lâmina de água em um período de dois meses? (Emílio Oliveira de Almeida, de Marizópolis-PB)

    Pires: Nós temos três Humidicolas hoje no mercado: a comum, que é o Quicuio, a Brachiaria humidicola mesmo que todo mundo conhece; nós temos o Llanero, que é a antiga Dictyoneura; e temos a Tupi, mas a Tupi tem problema de produção de semente, então ela não vingou muito, embora seja um capim muito bom. O Llanero é uma Humidicola melhorada, mais palatável, o gado gosta mais, o cavalo gosta bastante dela, então é um capim bom. A comum é um pouquinho mais tolerante a encharcamento do que o Llanero, mas você não vai ter problema com ele. Pode plantar.

    Fonte: Giro do Boi com curadoria Boi a Pasto.

     



  • Rendimento do gado criado a pasto melhora com suplementação, mesmo no período das águas

  • Entramos no período das águas, estação em que os ‘olhos’ dos pecuaristas e produtores em geral se enchem de alegria diante da fartura dos pastos nas fazendas Brasil afora.

    + leia mais


  • Criação de sites