• Conjuntura
  • Preço do boi gordo segue firme, sem sinal de enfraquecimento

    18/08/2020
    Mercado é todo altista, levado pela escassez de oferta, melhora na demanda interna e exportações em alta.
    Foto: Divulgação.
     
    Os preços do boi gordo e da vaca gorda voltaram a registrar valorizações em algumas praças pecuárias, depois de abrir o primeiro dia com estabilidade. Não há sinais de queda no mercado pecuário.
     
    Segundo informa a IHS Markit, os frigoríficos brasileiros operam com escalas de cinco dias úteis, em média, sem necessidade de aquisições mais urgentes.
     
    Continue a leitura após o anúncio
    Diante da dificuldade de compra de boiadas neste período de entressafra, porém, os negócios realizados são efetuados com oferta de preços mais altos.
     
    Além da grande escassez de oferta, o movimento altista do boi gordo é sustentado pela recuperação parcial do consumo doméstico de carne bovina, e pelo bom ritmo das exportações de carne bovina.
     
    Resultado preliminar divulgado pela Secretaria de Comércio Exterior mostra que os embarques de carne bovina in natura durante os primeiros 5 dias úteis de agosto continuaram em ritmo aquecido, totalizando 44 mil toneladas, avanço, na média diária, de 20% frente à julho/2020 e 43% com relação à agosto/2019.
     
    No atacado brasileiro, os preços dos principais cortes bovinos ficaram estáveis nesta terça-feira.
     
    Giro pelas praças
     
    No Centro-Sul do País, a arroba se valorizou nas praças do Mato Grosso e Minas Gerais. Nos dois Estados, a escassez de oferta de animais tem emplacado pressão altista nas cotações. Além disso, o resultado positivo das vendas no mercado internacional tem beneficiado a atuação de frigoríficos exportadores dessas regiões.
     
    No Norte do país, especificamente nas praças do Pará e Tocantins, houve ajustes positivos nos preços da boiada gorda. Nessas regiões a liquidez avança de forma esparsa em meio a grande dificuldade de compra de matéria prima, observa a IHS Markit.
     
    No Maranhão, a cotação da vaca registrou leve alta nesta terça-feira.
     
    Nas praças de São Paulo e do Mato Grosso do Sul, os preços do boi gordo ficaram estáveis, tanto do boi gordo quanto da vaca gorda. O mercado apresentou morosidade de negócios, uma vez que, diante dos patamares elevados praticados, os frigoríficos de SP e MS resistem em oferecer valores mais altos que as máximas vigentes, destaca a IHS.
     
    Confira as últimas cotações, segundo dados da IHS Markit:
     
    SP-Noroeste:
     
    boi a R$ 229/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 215/@ (prazo)
     
    MS-Dourados:
     
    boi a R$ 217/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 205/@ (à vista)
     
    MS-C. Grande:
     
    boi a R$ 219/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 207/@  (prazo)
     
    MS-Três Lagoas:
     
    boi a R$ 219/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 207/@ (prazo)
     
    MT-Cáceres:
     
    boi a R$ 201/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 192@ (prazo)
     
    MT-Tangará:
     
    boi a R$ 203/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 192/@ (prazo)
     
    MT-B. Garças:
     
    boi a R$ 205/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 197/@ (prazo)
     
    MT-Cuiabá:
     
    boi a R$ 203/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 192/@ (à vista)
     
    MT-Colíder:
     
    boi a R$ 195/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 185/@ (à vista)
     
    GO-Goiânia:
     
    boi a R$ 222/@ (prazo)
     
    vaca R$ 208/@  (prazo)
     
    GO-Sul:
     
    boi a R$ 221/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 209/@ (prazo)
     
    PR-Maringá:
     
    boi a R$ 217/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 202/@  (à vista)
     
    MG-Triângulo:
     
    boi a R$ 227/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 218/@ (prazo)
     
    MG-B.H.:
     
    boi a R$ 231/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 213/@ (prazo)
     
    BA-F. Santana:
     
    boi a R$ 229/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 216/@ (à vista)
     
    RS-P.Alegre:
     
    boi a R$ 212/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 202/@ (à vista)
     
    RS-Fronteira:
     
    boi a R$ 212/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 202/@ (à vista)
     
    PA-Marabá:
     
    boi a R$ 217/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 209/@ (prazo)
     
    PA-Redenção:
     
    boi a R$ 217/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 211/@ (prazo)
     
    PA-Paragominas:
     
    boi a R$ 211/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 204/@ (prazo)
     
    TO-Araguaína:
     
    boi a R$ 219/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 209/@ (prazo)
     
    TO-Gurupi:
     
    boi a R$ 218/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 208/@ (à vista)
     
    RO-Cacoal:
     
    boi a R$ 203/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 193/@ (à vista)
     
    RJ-Campos:
     
    boi a R$ 213/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 203/@ (prazo)
     
    MA-Açailândia:
     
    boi a R$ 212/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 195/@ (à vista)


  • Rendimento do gado criado a pasto melhora com suplementação, mesmo no período das águas

  • Entramos no período das águas, estação em que os ‘olhos’ dos pecuaristas e produtores em geral se enchem de alegria diante da fartura dos pastos nas fazendas Brasil afora.

    + leia mais


  • Criação de sites