• Nutrição
  • Nutrição bovina precisa de tecnologia, para que o Brasil possa alimentar o mundo

    30/05/2017
    A FAO indica a necessidade extrema de produzir alimentos para suprir o crescente aumento da população mundial

    As previsões de estudos realizados pela FAO - organização das Nações Unidas para alimentação e agricultura, indicam a necessidade extrema de produzir alimentos para suprir o crescente aumento da população mundial, que em 2040 deverá atingir 9 bilhões de pessoas. Não há como abastecer o mundo sem pensar em carne do Brasil, o que exigirá dos produtores brasileiros profissionalismo e somente com uso de tecnologias práticas e economicamente viáveis, esse crescimento sustentável da pecuária brasileira será possível. Atualmente, em média, 25% da carne comercializada para abastecer o mercado mundial é brasileira. Em 2040, deverá ser cerca de 60%.

    Para atender a essas necessidades do produtor, o Grupo Matsuda desenvolveu mais de 120 formulações específicas de suplementos minerais, proteicos e energéticos para bovinos de corte e de leite, equinos, ovinos, caprinos e bubalinos. São formulações que atendem desde a cria, recria, engorda, confinamento, semi confinamento e creep-feeding, conforme as estações do ano. Toda essa linha integra seu Programa Desempenho Máximo, um protocolo de manejo nutricional, desenvolvido pelo Departamento Técnico de Nutrição Animal da empresa, com o objetivo de facilitar o emprego das diversas formulações de suplementos minerais, energéticos e proteicos pelo pecuarista, para que ele obtenha o máximo de resultado possível, dentro de sua propriedade, seja ele produtor de bezerro, de carne, de leite a pasto ou em confinamento, independente do seu sistema de produção ou nível tecnológico adotado em sua propriedade.

    Para o médico veterinário Marco Antônio Finardi, do Departamento Técnico de Nutrição Animal do Grupo Matsuda, “a pastagem, sozinha, não consegue suprir 100% das necessidades de minerais que o metabolismo dos animais exige. E na seca, os níveis de proteína do pasto não suprem o mínimo necessário, que é de 7% de proteína bruta, para o rúmen funcionar corretamente”. Segundo o técnico, “as forragens tropicais utilizadas no Brasil apresentam desbalanços e grandes oscilações nutricionais, digestibilidade razoável e minerais em quantidades insatisfatórias para o total atendimento da demanda animal. Por melhor que seja o manejo da pastagem, o teor de nutrientes do capim é insuficiente para o perfeito desenvolvimento do rebanho e a complementação da dieta dos animais exige o fornecimento adicional de macro e micro minerais, além de proteína, energia e vitaminas em determinadas épocas do ano”.

    É nesse contexto, segundo Finardi, que se insere “o conceito de suplementação mineral, que visa, por definição, adicionar à dieta dos animais os minerais deficientes nas forrageiras. Quem busca produtividade e rentabilidade na pecuária não pode deixar de fornecer minerais, seja na seca ou na época das águas”. O técnico considera importa lembrar também “que ocorrem oscilações nutricionais no período de seca, sendo que isto também ocorre no período de águas, época que associamos a um pasto com todos os nutrientes essenciais para produção. Desta forma, através de formulações específicas para cada época do ano é possível que complementemos todos os minerais essenciais, mas também outros nutrientes que podem encontrar-se como limitantes e desta forma, aumentar o aporte destes nutrientes para que se consiga alcançar o desempenho máximo”.

    Fonte: Matsuda / Taxi Blue



  • MANEJO EFICIENTE DA PASTAGEM AJUDA NA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE

  • Para acessar mercado premium e que melhor remunera com a criação a pasto, é preciso planejamento, animais de boa genética e principalmente escolher cultivares com alto valor nutritivo para alimentação

    + leia mais
  • Pantanal tem 14 cidades em emergência, mais incêndios e mortes de animais no MS

  • Região vive período de forte estiagem, o que motivou o decreto de emergência por parte do governo local

    + leia mais
  • Pasto rotacionado: sobrou capim? Saiba por que isso é um ótimo sinal

  • Confira as novas dicas do doutor em zootecnia Gustavo Rezende Siqueira, pesquisador do Polo Regional de Alta Mogiana da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA)

    + leia mais


  • Criação de sites