• Conjuntura
  • Mercado interno em marcha lenta, mas pressão altista da arroba tem fundamento

    23/09/2020
    Como unidades habilitadas para exportação seguem elevando fortemente os embarques de carne bovina, sobretudo ao mercado chinês, consumo local não tem força para mexer nas cotações.
    Foto: Divulgação.
     
    O mercado do boi gordo abriu a semana em compasso de espera, com os principais compradores ainda avaliando o comportamento das vendas internas de carne bovina ao longo do fim de semana. Há uma preocupação dos frigoríficos em relação ao acúmulo de estoques de cortes bovinas nas câmaras frias, devido ao menor poder aquisitivo da população, sobretudo nesta segunda quinzena do mês, quando há um maior distanciamento do prazos de pagamento do último salário.
     
    No entanto, diante da enorme escassez de oferta de gado, a pressão altista na arroba se mantém firme nas principais regiões pecuárias do País. Com dificuldades para comprar boiadas prontas e os problemas de escoamento da carne, algumas plantas frigoríficas adotam uma postura mais cautelosa, reduzindo o ritmo dos abates diários com foco em realocar suas escalas, observa a IHS Markit.
     
    “A maior parte das indústrias dispõe de programações de abate que atendem entre três a quatro dias úteis”, informa a consutloria.
     
    No entanto, apesar da baixa demanda no mercado interno, unidades habilitadas para exportação seguem elevando fortemente os embarques de carne bovina, sobretudo ao mercado chinês.
     
    Nos atacados, a procura por cortes bovinos se manteve baixa durante o final de semana, cenário esperado para esta metade final do mês, relata a IHS Markit.  “Observa-se uma migração da demanda para proteínas mais baratas, como o frango e a carne suína”, informa a consultoria. Neste contexto, o preço do dianteiro de boi caiu para R$ 14/kg.
     
    Confira as cotações desta segunda-feira, 21 de setembro, segundo dados da IHS Markit:
     
    SP-Noroeste:
     
    boi a R$ 251/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 241/@ (prazo)
     
    MS-Dourados:
     
    boi a R$ 242/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 234/@ (à vista)
     
    MS-C. Grande:
     
    boi a R$ 245/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 234/@  (prazo)
     
    MS-Três Lagoas:
     
    boi a R$ 246@ (prazo)
     
    vaca a R$ 236@ (prazo)
     
    MT-Cáceres:
     
    boi a R$ 232/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 222@ (prazo)
     
    MT-Tangará:
     
    boi a R$ 233/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 221/@ (prazo)
     
    MT-B. Garças:
     
    boi a R$ 235/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 224/@ (prazo)
     
    MT-Cuiabá:
     
    boi a R$ 230/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 220/@ (à vista)
     
    MT-Colíder:
     
    boi a R$ 227/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 215/@ (à vista)
     
    GO-Goiânia:
     
    boi a R$ 246/@ (prazo)
     
    vaca R$ 236/@  (prazo)
     
    GO-Sul:
     
    boi a R$ 237/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 229/@ (prazo)
     
    PR-Maringá:
     
    boi a R$ 241/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 231/@  (à vista)
     
    MG-Triângulo:
     
    boi a R$ 249/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 235/@ (prazo)
     
    MG-B.H.:
     
    boi a R$ 249/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 237/@ (prazo)
     
    BA-F. Santana:
     
    boi a R$ 256/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 250/@ (à vista)
     
    RS-Porto Alegre:
     
    boi a R$ 209/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 201/@ (à vista)
     
    RS-Fronteira:
     
    boi a R$ 209/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 201/@ (à vista)
     
    PA-Marabá:
     
    boi a R$ 250/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 244/@ (prazo)
     
    PA-Redenção:
     
    boi a R$ 250@ (prazo)
     
    vaca a R$ 244/@ (prazo)
     
    PA-Paragominas:
     
    boi a R$ 247/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 238/@ (prazo)
     
    TO-Araguaína:
     
    boi a R$ 247/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 237@ (prazo)
     
    TO-Gurupi:
     
    boi a R$ 243/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 233/@ (à vista)
     
    RO-Cacoal:
     
    boi a R$ 240/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 229/@ (à vista)
     
    RJ-Campos:
     
    boi a R$ 240/@ (prazo)
     
    vaca a R$ 227/@ (prazo)
     
    MA-Açailândia:
     
    boi a R$ 245/@ (à vista)
     
    vaca a R$ 225/@ (à vista)


  • Rendimento do gado criado a pasto melhora com suplementação, mesmo no período das águas

  • Entramos no período das águas, estação em que os ‘olhos’ dos pecuaristas e produtores em geral se enchem de alegria diante da fartura dos pastos nas fazendas Brasil afora.

    + leia mais


  • Criação de sites