• Notícias
  • Integração da pecuária com a agricultura é benéfica para as duas cadeias produtivas

    27/07/2021
    Em entrevista ao CB Agro Maximiliano Cardoso, zootecnista da Emater-DF, afirma que pastagem do boi melhora atributo químico e físico do solo, aumentando a produtividade das lavouras

    Para aumentar a produtividade no agronegócio, é importante aproveitar ao máximo as potencialidades de cada atividade. O boi safrinha, por exemplo, é um sistema de produção que integra a pecuária com a agricultura, de modo que as duas cadeias produtivas ganham. Entrevistado do CB.Agro desta última sexta-feira, uma produção do Correio Braziliense e da TV Brasília, o zootecnista da Emater-DF Maximiliano Cardoso descreveu esses movimentos no agronegócio.

    O especialista explicou por que a agricultura se beneficia com a pastagem do boi, com favorecimento para a pecuária. "A cobertura de solo mantém a matéria orgânica, ela melhora o atributo químico e físico do solo. A raiz da braquiária cresce bem, puxando água e nutrientes. Então, onde teria uma pastagem seca neste período que estamos, essa pastagem com uso da integração está basicamente verde e disponível para os animais", descreveu.

    Em resposta às críticas de que esse sistema prejudica os produtores, Cardoso afirma que há grande aumento de produtividade, porque melhora os atributos do solo. Com essa técnica, não é necessário abrir mais áreas para pasto. Além disso, a integração lavoura-pecuária permite recuperar pastagens degradadas. "É uma técnica sustentável, que mantém e melhora a qualidade de solo. Hoje em dia, temos análise de solo, por exemplo, que não se preocupa apenas com a parte química do solo, mas também com a parte biológica. Verificam-se os microrganismos que vão facilitar o processo. Essa análise vai ficando mais complexa no sentido de trazer benefícios, mais informações para uso do pecuarista e do agricultor", afirma.

    Maximiliano Cardoso comentou ainda os avanços na avicultura. Com o aumento do preço da carne, muitos brasileiros se viram na obrigação de substituir o produto pelo ovo. De 2015 a 2020, houve um aumento expressivo na demanda na setor de avicultura, com benefício para muitos produtores rurais. "O ovo é um substituto interessante, de origem animal, de baixo custo, com facilidade de uso. Na alimentação, ele é extremamente importante para o desenvolvimento humano, entra como substituto bem competitivo. O DF vem aumentando o sistema de produção, atendendo a essa demanda que está sendo crescente", disse o especialista.

    Segundo o zootecnista, o melhoramento genético tem sido importante para aumentar a produção. Em condições normais, uma galinha caipira põe de 80 a 100 ovos por ano. Por meio de técnicas genéticas, esse percentual passa para 250 a 300 ovos por ano. "O melhoramento genético tem duas vias: seleção de animais superiores e cruzamentos. Com as galinhas, não foi diferente. As galinhas caipiras entravam muito em choco, um período que elas estão em reprodução e param de botar. Na melhoria genética, a gente seleciona os animais que não entram no choco, que tinham boa produtividade de ovos, e foi chegando a um animal, com os cruzamentos, que come menos ração e produz muito ovo", explicou Maximiliano Cardoso.

    Fonte: Correio Braziliense com curadoria Boi a Pasto.



  • Indústria pode se desenvolver de maneira sustentável por meio da biodiversidade e mercado de carbono

  • Em live realizada nesta quarta-feira (22), o presidente da CNI defendeu que a indústria brasileira é uma das mais responsáveis em relação às questões ambientais

    + leia mais
  • Deputado pede suspensão de medida que autoriza abater vacas prenhas

  • Projeto de Decreto Legislativo pede que seja sustada a aplicação de artigo em portaria do Ministério da Agricultura sobre abate humanitário de bovinos

    + leia mais


  • Criação de sites