• Manejo
  • Falta de chuva e corte no fornecimento de água para irrigação comprometem agropecuária

    29/01/2015
    Expansão das políticas de armazenagem de água contribuiria para o abastecimento hídrico.

    Assim como a população urbana, a agropecuária tem sentido os efeitos da falta de chuvas, do calor intenso e da escassez de água para irrigação, mas os produtores rurais podem, no longo prazo, contribuir ainda mais para minimizar os efeitos das crises hídricas. A contribuição depende, no entanto, da expansão das políticas para produção sustentável e para armazenamento de água durante o período chuvoso. Este volume poderá, em situações como a atual, abastecer, além das propriedades rurais, as cidades.

     Nelson Ananias Filho, assessor da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), explica que existem alguns programas estaduais e federais – o Produtor de Água e o de Recuperação de Matas Ciliares, entre outros – que incentivam a “produção de água” nas propriedades rurais a partir de práticas produtivas sustentáveis. Mas eles são incipientes. “Além de não alcançarem todos os produtores, ainda faltam políticas que permitam o armazenamento da água da chuva que não se infiltra no solo”, afirma.

     De acordo com ele, o Brasil não tem uma política de “reservação” (armazenagem) de água. Apesar da importância da prática para o equilíbrio hídrico e a necessidade de aproveitamento desse recurso, não há regras, nem tampouco incentivos, para quem coleta água da chuva. “Falta uma legislação, inclusive com a definição de normas para intervenções pontuais em áreas de preservação permanente”, alerta. A Lei 12.787, que estabelece a Política Nacional de Irrigação, é de 2012, texto que ainda carece de regulamentação.

     Diante do quadro atual, o representante da CNA lembra que os produtores que têm sistemas de irrigação em suas propriedades são os primeiros “a terem suas torneiras fechadas” quando há falta água. Em situações de crise, a prioridade é a dessedentação animal e o abastecimento público, como previsto em lei. Para outros usos – irrigação, atividades industriais, mineração, saneamento e turismo – a liberação fica suspensa.

     Sem chuva ou água para irrigar as lavouras, a expectativa é de queda na produção da safra de verão, que está começando a ser colhida, e de impacto para o café, a cana-de-açúcar e outras culturas de ciclo menor. Os prejuízos ainda serão quantificados, mas devem ser percebidos especialmente na região Sudeste, onde foi registrado um período de estiagem em janeiro. “Toda a agricultura está sentindo os efeitos do clima”, resume. Ele estima quebra de 20% a 50% na produção para as culturas de ciclo mais curto, como frutas e hortaliças. Na cana-de-açúcar, a quebra esperada é de 30% e no café, de 20% a 30%. 

    Fonte: CNA

     


  • MANEJO EFICIENTE DA PASTAGEM AJUDA NA PRODUÇÃO DE CARNE DE QUALIDADE

  • Para acessar mercado premium e que melhor remunera com a criação a pasto, é preciso planejamento, animais de boa genética e principalmente escolher cultivares com alto valor nutritivo para alimentação

    + leia mais
  • Pantanal tem 14 cidades em emergência, mais incêndios e mortes de animais no MS

  • Região vive período de forte estiagem, o que motivou o decreto de emergência por parte do governo local

    + leia mais
  • Pasto rotacionado: sobrou capim? Saiba por que isso é um ótimo sinal

  • Confira as novas dicas do doutor em zootecnia Gustavo Rezende Siqueira, pesquisador do Polo Regional de Alta Mogiana da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA)

    + leia mais


  • Criação de sites