• Nutrição
  • Estratégias de suplementação na entressafra

    17/07/2019
    Chegou a seca em 2019. Além de muitas variáveis no cenário econômico e político, as oscilações e previsões nos mercados de grãos e proteinados tem deixado o produtor preocupado, porém ele deve sempre optar por otimizar seus lucros, perante a mudança na qualidade do capim nessa época. Optar por proteinados de melhor desempenho é a ferramenta mais rápida para buscar melhores resultados a pasto.

     

     

     

    Por Diego Magri Bernardes*

    Chegou a seca em 2019. Além de muitas variáveis no cenário econômico e político, as oscilações e previsões nos mercados de grãos e proteinados tem deixado o produtor preocupado, porém ele deve sempre optar por otimizar seus lucros, perante a mudança na qualidade do capim nessa época. Optar por proteinados de melhor desempenho é a ferramenta mais rápida para buscar melhores resultados a pasto.
    Reformar pasto, fazer rotacionado, adubar, vedar piquete, deixar sobrar macega, etc. Muitas vezes são planejamentos para ano seguinte ou vão envolver muitos outros fatores para tomada de decisão. Escolher o proteinado certo hoje, pode dar resultado já no fim do mês.
    A diversidade de produtos para suplementação e a destinação de cada um deles também preocupa o produtor rural no momento de tomar a decisão sobre qual suplemento proteinado ele deve optar. Procurar menor custo? O de menor consumo? Buscar maior ganho de peso? Ou escolher o produto e/ou estratégia de melhor resultado?
    O ideal é que o produtor busque sempre o melhor aporte de minerais em todas as opções, atingindo as exigências de ganho e saúde de cada categoria e seus desafios diários. Mas para melhorar de forma lucrativa, o ganho de peso e reprodução à pasto na fazenda, é necessário o uso de proteinados de consumos variados e em diferentes épocas do ano. O ideal é fazer simulações de viabilidade em todos os lotes.
    Sugestões de estratégias de suplementação de alto, médio e baixo desempenho tem que estarem totalmente correlacionadas com a qualidade e disponibilidade das pastagens. E estarem juntas de plano econômico na tomada de decisão.
    Variações nas condições ambientais como temperatura, luminosidade e chuvas, são responsáveis pelas alterações nas estruturas das plantas forrageiras, modificando seu valor nutricional, diminuindo assim sua digestibilidade e teôr de nutrientes, principalmente de proteína. Essa, quando falta, diminui o crescimento dos microorganismos do rúmem e, consequentemente, a digestão da forragem.  O boi pára de ganhar peso na seca.
    Lembrando que algumas categorias necessitam de um investimento nas fases iniciais para trazerem mais retorno no futuro (desmama, recria, primíparas).

    Quanto custa a tecnologia?

    O produtor deve avaliar se o investimento na nutrição vai retornar em benefícios reais. Um proteinado mais caro vale a pena? O produtor tem que fazer as contas de custo por animal e avaliar não só a proteína e consumo, mas as dosagens de minerais e também a digestibilidade das matérias primas envolvidas.

    Dependendo do processamento e quais farelos estão sendo usados na composição, podem variar o aproveitamento no trato digestivo do animal. São vários os fatores relacionados a isso.
    Após essa avaliação criteriosa, transforme a diferença em reais do custo de cada opção nutricional, em quantidade de @ ou quilos de peso vivo, para pagar essa diferença. Essa medida o produtor sabe avaliar melhor, pois sabe que um produto de melhor qualidade faz o animal ganhar mais peso e render mais carcaça. Quando há mensuração, o produtor consegue enxergar muitas vezes que uma diferença considerável no preço por saco de proteinados pode fazer o barato sair mais caro!
    Um produto de melhor qualidade faz o animal ganhar mais peso e render mais carcaça?
    São muitos aspectos envolvidos pra descobrir o potencial do ganho, principalmente na entrada da seca e seca propriamente dita, devido a grande discrepâncias em cada produtor.
    Mas ao comparar preços, deve-se calcular o desempenho mínimo para custear o investimento

    Vamos aos números:

    Quando transformamos os custos de cada estratégia e produto e comparamos na mesma moeda, ganho de peso nesse caso, muitas vezes o custo extra do suplemento se paga com pouco desempenho a mais. Sendo muito viável.
    Para o produtor escolher qual desempenho seus lotes terão, depende da qualidade e quantidade das folhas que serão ofertadas no pasto, ou seja, da qualidade da macega. Depois disso, deve-se avaliar qual o objetivo do lote: manter o peso, desenvolver carcaça, terminar carcaça e em qual velocidade.
    Algumas demandas, como acabamento de carcaça, precisam de volumes maiores de nutrientes e muitas vezes leva o produtor a optar por introduzir maiores volumes de concentrado. Nessa hora, o cuidado com os custos devem ser redobrados, pois muitas vezes pode ficar caro e não compensar.
    Devemos acelerar o funcionamento do rumem com proteinados o ano todo, principalmente nas águas onde temos mais substrato para ser digerido, o pasto verde e produtivo.
    Planejar o ciclo de produção animal e sua demanda por nutrientes, juntos com a oferta de pasto ao longo do ano, são alternativas para buscar maior desempenho por hectare.  Uso de piquetes, adubação, confinamento, irrigação, e outras tecnologias, sempre devem ser feitas com uso de técnicas adequadas e prévio planejamento financeiro. O acompanhamento técnico, para validar as decisões,  é fundamental. Nem sempre a grama do vizinho é mais verde. Ainda mais na seca.



  • Suplementação mineral é essencial para rebanho, mas exige medida específica

  • Não existe receita de sucesso e é preciso fazer análise real de cada caso

    + leia mais
  • A vez delas também na pecuária

  • Estamos falando das fêmeas bovinas como fiel da balança na hora de melhorar a rentabilidade do negócio. Na cobertura a campo, predominante na pecuária nacional, produzem em média 28 filhotes por ano,

    + leia mais
  • Uma nova revolução

  • Eficiência alimentar passa a ser grande preocupação dos principais selecionadores de bovinos do País. A característica promete conferir maior competitividade à produção de carne vermelha.

    + leia mais
  • Genética no tempo, sem artificialismos

  • Respeitando a fixação de características no rebanho ao longo do tempo sem quaisquer maquiagens nas informações observadas e coletadas no campo.

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites