• Nutrição
  • Estiagem atinge agronegócio

    09/02/2015
    Segundo a Climatempo, previsão é de temporadas de chuvas irregulares.

     No Brasil, um setor de grande importância para a economia é o agronegócio, que representa 23% do Produto Interno Bruto (PIB) e gera 30% dos empregos no país. Em 2015, o desempenho das principais commodities agrícolas tende a ter uma queda, mas ainda assim poderão ser observados números razoáveis que vão contribuir com o crescimento da economia, comparado aos demais setores que projetam uma desaceleração neste ano.

     O motivo da queda é a estiagem que atinge o Sudeste e o Centro-Oeste, e pode trazer um impacto negativo ao setor. Alguns fatores já podem ser percebidos como o escoamento de grãos que tiveram seu transporte alterado. Isso, pois, a hidrovia Tietê-Paraná, uma das mais importantes do país, já tem alguns pontos de paralisação devido à falta d’água.

     Segundo Alexandre Nascimento, meteorologista da Climatempo, as condições não são boas para o setor. “As condições macro, do ponto de vista oceânico, vão continuar desfavorecendo as chuvas regulares, que podem beneficiar o agronegócio. Ao que tudo indica será uma temporada de chuvas irregulares”, diz.

     O crescimento previsto não depende somente do clima, mas também vai requerer que o agronegócio explore seus ganhos de produtividade, sem depender apenas de impulsos da demanda. Existem muitos fatores externos como a desaceleração do mercado chinês, principal destino do grão brasileiro, que podem impactar as negociações em 2015.

     O ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e atual presidente do conselho de administração da União da Indústria da Cana-de-açúcar (UNICA), João Roberto Rodrigues, ressalta que a maior cautela do setor deve ser vista para o ano de 2016. “A valorização do dólar pode aumentar ainda mais os custos de produção. E se os preços lá fora continuarem em queda, devido o aumento da oferta, as margens serão ainda menores no próximo ano (2016)” afirmou.

    Sobre o Grupo Climatempo

    O Grupo Climatempo é a maior empresa privada de meteorologia do país. Fornece, atualmente, conteúdo para mais de 50 retransmissoras nacionais de televisão, para rádios de todo o Brasil e para os principais portais. Com cerca de 2 mil clientes oferece conteúdo meteorológico estratégico para o setor de agricultura, moda e varejo, energia elétrica, construção civil,  seguradoras e indústrias farmacêutica e de alimentos.

     O Portal Climatempo transformou-se no veículo líder em visitação do país. É referência na divulgação de conteúdo que estimula a consulta diária de previsão do tempo. Classificado nos principais institutos de pesquisa entre os 30 sites mais visitados do país em língua portuguesa, é visitado por mais de 1, 5 milhão de usuários por dia, chegando a quase 3 milhões nas vésperas de feriados e durante fenômenos extremos de tempo e clima, com um crescimento anual na marca de 30%. O Grupo é presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 27 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

    Fonte: Climatempo   

     


  • IICA e Fundo Verde do Clima fecham parceria de US$ 100 milhões para projetos de redução das emissões de metano nas Américas

  • Para secretário de Inovação do Mapa, Fernando Camargo, iniciativa pode ajudar países a cumprirem meta de diminuir as emissões de metano na pecuária

    + leia mais
  • Lei de pagamento por serviços ambientais é incentivo para cuidar do pasto

  • Pesquisadores da Embrapa destacaram a ligação entre das boas práticas de manejo do pasto e a nova lei de pagamento por serviços ambientais

    + leia mais


  • Criação de sites