• Notícias
  • Como a tecnologia irá ajudar na adoção da pecuária de baixo carbono?

    18/08/2021
    Thiago Parente, fundador e CEO da iRancho, destaca a demanda cada vez maior dos consumidores por "produtos verdes"

    A demanda cada vez maior dos consumidores por “produtos verdes” é também uma grande oportunidade para a pecuária brasileira. Os números de 2020 já mostram isso.

    As exportações de carne bovina bateram recorde no ano passado, com alta de 11,8% no faturamento, que chegou a US$ 8,53 bilhões, segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec). Foram 2,02 milhões de toneladas de carne embarcadas, o que representa 8,8% a mais do que em 2019.

    A alta nas vendas para o mercado externo teve um anabolizante que seguirá impactando a produção nacional: as pressões internacionais crescentes por boas práticas ambientais. As exigências dos frigoríficos em relação aos fornecedores também acompanham o desejo dos consumidores por uma carne mais sustentável ambientalmente.

    E aí temos um novo cenário já desenhado para o setor que está incentivando os produtores a criarem novos produtos que atendam consumidores agora mais exigentes e conscientes.

    Em uma parceria com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), um dos maiores frigoríficos do país, a Marfrig lançou uma linha de carne carbono neutro, uma carne que no processo de produção deixa um saldo zero de emissões de carbono. A carne carbono neutro (CCN) é uma certificação do gado criada pela Embrapa em sistemas de integração do tipo silvipastoril (pecuária-floresta) ou agrossilvipastoril (lavoura-pecuária-floresta, ILPF).

    Estudo realizado na Embrapa Gado de Corte (Campo Grande-MS) mostra que cerca de 200 árvores por hectare seriam suficientes para neutralizar o metano exalado por 11 bovinos adultos por hectare ao ano. Como a taxa de lotação usual no Brasil é de 1 a 1,2 animal por hectare, a quantidade de árvores é mais do que suficiente para produzir uma redução das emissões.

    O cálculo é feito com a conversão do metano gerado pela digestão dos animais, que também é um dos gases do efeito estufa, em toneladas de carbono equivalente. O carbono retirado da atmosfera com o crescimento das árvores é o que fica fixado no tronco das árvores. Para se saber a quantidade, basta estimar o volume de madeira e, consequentemente, a quantidade de carbono fixada pela floresta. Pelos critérios da Embrapa, o sistema ideal deve ter entre 200 e 400 árvores por hectare.

    Além do carbono fixado, a presença de árvores influencia ainda no bem-estar animal. A sombra natural, além de bloquear a radiação solar, cria um microclima com sensação térmica mais agradável. Com o conforto térmico, o animal apresenta maior ganho de peso e a produção fica mais eficiente, consumindo menos recursos naturais ao longo do ciclo de vida para gerar a mesma quantidade de carne.

    Técnicas de manejo sustentáveis reduzem emissões em até 90%

    Além da integração da pecuária com floresta e lavoura, há outras boas práticas a seguir na pecuária para reduzir a emissão de gases do efeito estufa.

    Outro estudo desenvolvido pela ONG Imaflora no Mato Grosso mostrou que a adoção de técnicas de manejo sustentáveis na produção de gado, com suplementação alimentar, recuperação de pastagens degradadas, aumento da lotação de cabeças por hectare e redução do ciclo de engorda, pode reduzir em quase 90% as emissões de gás carbônico.

    Para a realização do estudo, os pesquisadores compararam duas áreas com pecuária intensiva sustentável no nordeste do Mato Grosso aos índices médios de emissão da atividade no Estado onde, estima-se, mais da metade das pastagens tem algum grau de degradação. Os pastos degradados são justamente um dos vilões em relação às emissões de gases do efeito estufa e a recuperação dessas áreas ajuda a reter carbono no solo.

    Os solos brasileiros, se estiverem com uma boa forrageira (tipo de pastagem), têm grande potencial para sequestrar esse carbono. Entretanto, o pasto degradado acaba provocando um volume maior de emissão de gases do efeito estufa.

    A ideia de sequestro do carbono pelo solo como uma das estratégias para combater as mudanças climáticas foi lançada em 2015, durante a COP 21, a conferência do clima realizada em Paris. No painel internacional, a França apresentou a chamada Iniciativa “4 por 1000”, que propõe que os países busquem um crescimento anual do estoque de carbono nos solos de 0,4% (daí o nome “4 por 1000”), que, segundo os estudos científicos, permitiria frear o aumento da concentração de CO2 na atmosfera e, consequentemente, o aumento da temperatura global.

    Além de ajudar a fixar o carbono no solo, a recuperação das pastagens também aumenta a produtividade da pecuária. O estudo da Imaflora mostrou na fazenda avaliada, uma unidade da Pecsa (Pecuária Sustentável da Amazônia) em Alta Floresta, uma taxa de lotação de até cinco animais por hectare, mais de cinco vezes superior à média do Mato Grosso.

    Aliada ao uso de suplementação alimentar aos animais, o sistema obteve um ciclo de engorda de apenas 12 meses (ante 36 na pecuária extensiva). Vale reforçar que, quanto mais curto o ciclo de produção da carne, menores as emissões de gases do efeito estufa. A produtividade registrada no estudo foi de até uma tonelada equivalente de carcaça por hectare ao ano, uma marca 17 vezes superior à média do Estado.

    A suplementação alimentar oferecida aos animais também tem papel fundamental não só no ganho de peso, mas também no balanço de emissões da atividade pecuária ao reduzir a quantidade de metano gerada pela digestão dos animais.

    A necessidade da sustentabilidade ambiental em qualquer atividade humana é uma realidade. A chamada pecuária de precisão, que usa a tecnologia para melhorar a produtividade e a sustentabilidade ambiental, é uma forte aliada para os produtores aproveitarem essa oportunidade. Adotar novas práticas com o uso das novas tecnologias nas fazendas de corte é um caminho sem volta para que a pecuária brasileira continue a ganhar mercado mundo afora. Você, pecuarista, já começou a olhar para isso?

    Por: Thiago Parente - DBO com curadoria Boi a Pasto.

     



  • Falta de assistência técnica é gargalo para atingir metas de metano e carbono

  • Firmados na COP26, pactos para diminuir emissão de gases de efeito estufa estão distantes de produtores que carecem de extensão rural pública

    + leia mais
  • Aumento de 35% na probabilidade de prenhez e 30% mais peso nos bezerros desmamados

  • Esses números são possíveis com o uso da suplementação alimentar específica para vacas durante o período reprodutivo

    + leia mais


  • Criação de sites