• Sanidade
  • Como realizar e avaliar a cura de umbigo das bezerras em sua propriedade?

    25/07/2014
    A cura de umbigo de bezerras recém-nascidas é de extrema importância e pode impactar no desenvolvimento do animal.

    Talita Silva e Patrícia Maia*

    Essa prática visa secar o coto umbilical de forma a não atrair moscas e a fechar a porta de entrada a microrganismos no corpo inteiro. Por isso, deve ser prioridade: a cura de umbigo refletirá na saúde e produção da bezerra pelo resto da vida dela!

    A secagem natural do umbigo secar pode levar de sete a dez dias. Em sistemas de produção de leite, concentra-se muitos animais em uma só área, o que aumenta o desafio de acúmulo de matéria orgânica e de microrganismos patogênicos. Por isso, ajudar secando os umbigos das bezerras o quanto antes evita que uma infecção ocorra.

    A utilização de iodo 10% é recomendável para a cura de umbigo. Associado a isso, um local com boa higiene e o monitoramento da eficiência da cura de umbigo são aconselháveis. A intenção é que o iodo resseque o umbigo dos bezerros, fechando a porta de entrada a microrganismos e acabando com o estímulo para moscas pousarem e depositarem ovos.

    A cura do umbigo deve ser realizada imediatamente após o nascimento e repetida pelo menos nos três primeiros dias de vida das bezerras, duas vezes ao dia, sendo o ideal realizá-la até que o umbigo fique seco. Quanto ao pote para colocar o iodo, os frascos que são normalmente utilizados para pré e pós-dipping de tetos na ordenha têm boca larga, boa profundidade e há aqueles sem retorno (foto 1). Estes são ideais para evitar que a solução já utilizada contamine o restante do iodo, prejudicando sua ação. Uma vez em contato com matéria orgânica e/ou sujeira, o iodo perde sua ação.

    Pote para solução de iodo: frascos devem ter, de preferência, boca larga, boa profundidade e sem possibilidade de haver retorno de matéria orgânica ou sujeira.

    Pote para solução de iodo: frascos devem ter, de preferência, boca larga, boa profundidade e sem possibilidade de haver retorno de matéria orgânica ou sujeira.

    Como saber se a cura de umbigo está sendo eficiente?

    Para isso, confere-se o umbigo das bezerras quando elas têm dois dias e repete a conferência quando têm por volta de duas semanas de vida. Para fazer esta conferência, deve-se deitar as bezerras de lado e palpar o umbigo, como nas fotos abaixo:

    Coloque o animal em decúbito lateral. A seguir, realize a palpação observando a ocorrência de espessamento e manifestação de dor.

    No 2º dia de vida, espera-se que um umbigo bem curado tenha o diâmetro de um dedo polegar e, na 2º semana, um diâmetro semelhante ao da carga de uma caneta esferográfica comum.

    A cura de umbigo é fácil de ser realizada e monitorada e gera muitos benefícios para o desenvolvimento de bezerras saudáveis. Por isso, não deixe de fazê-la!

    *Talita Silva e Patrícia Maia são médicas veterinárias da equipe Rehagro

    Fonte: Rehagro / Rural Centro

     


  • IICA e Fundo Verde do Clima fecham parceria de US$ 100 milhões para projetos de redução das emissões de metano nas Américas

  • Para secretário de Inovação do Mapa, Fernando Camargo, iniciativa pode ajudar países a cumprirem meta de diminuir as emissões de metano na pecuária

    + leia mais
  • Lei de pagamento por serviços ambientais é incentivo para cuidar do pasto

  • Pesquisadores da Embrapa destacaram a ligação entre das boas práticas de manejo do pasto e a nova lei de pagamento por serviços ambientais

    + leia mais


  • Criação de sites