• Conjuntura
  • Brasil: agronegócio olímpico sob condições adversas e sem regras para o fair play

    15/06/2015
    Agronegócio no Brasil é uma olimpíada disputada a cada ano. Só que sob condições incertas e adversas, nunca dentro de instalações para alta performance, e com regras que promovam o fair play.

    José Luiz Tejon Megido*

     Saiu o PAP – Plano Agrícola e Pecuário: mais cerca de R$ 30 bilhões no crédito agrícola, porém com aumento de juros – esse é o salto do gato. Safra passada tivemos R$ 156,1 bilhões de crédito agrícola. Safra 2015/2016, teremos R$ 187,7 bi.  Para o custeio teremos mais crédito, porém a juros controlados, que crescem de 4,5% para 7,5%, e produtores com receita acima de R$ 90 milhões, pagam 9% de juros controlados.  Existirão apenas R$ 94,5 bilhões, ou seja, apenas 7,5% a mais em recursos comparado ao ano passado.

     O setor reclama que os custos de produção cresceram 15%, e que a inflação será maior do que o montante do recurso oferecido para custeio a juros controlados. No custeio a juros livres, o aumento foi de 130% na disponibilidade, saindo de R$ 23 bi, para R$ 53 bi. Mas juros livres leia-se na faixa de 17% a 23% ao ano.

     Para investimentos, o total dos recursos diminuíram 24% comparado ao ano passado, também dentro dos juros controlados. Ou seja, o aumento da oferta de crédito, de verdade, está se dando a juros livres, que poderão variar conforme a instituição financeira, de 17% a 23% ao ano.

     Outras preocupações do campo estão no modelo de seguro rural, que apenas inicia neste ano com o SIS RURAL – Sistema Integrado de Informações do Seguro Rural, e a eterna dúvida da chegada dos recursos a tempo hábil na mão dos produtores.

     O pessoal do arroz reclama de não consideração dos custos do arroz irrigado, responsável por 90% do arroz consumido no Brasil, que teve consideráveis aumentos de energia elétrica, após a promessa de que o custo da energia ia cair no país.

     E o programa da agricultura de baixo carbono, essencial para o posicionamento de sustentabilidade do agronegócio brasileiro, perdeu 1/3 dos recursos na próxima safra, caindo de R$ 4,5 bi, para R$ 3 bi.

     Quer dizer, dentro da circunstância dos ajustes econômicos nacionais, há um olhar positivo pelo aumento dos recursos. Porém, considerando o nível da incerteza sempre presente na atividade agropecuária, que não domina preços, tem custos logísticos infernais no país, além de burocracia paralisante, encarecendo e ampliando o risco da atividade, os juros obrigarão cada produtor a ser um atleta olímpico. A consequência é cada vez mais uma seleção forçada, onde apenas os extremamente mais vocacionados e atléticos superam.

     Injusto com a grande maioria dos produtores brasileiros, e com a necessidade imperiosa de aumento do empreendedorismo e do cooperativismo no campo. A Olimpíada no Brasil existe todo ano, nos campos da agropecuária.

    Sobre o CCAS

    O Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

    O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

    Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

    A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça.

    Acompanhe o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel 

    *José Luiz Tejon Megido é Conselheiro Fiscal do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM, Comentarista da Rede Estadão.

     


  • Safra 2019/20 de soja tem crescimento na área 2,6%

  • De acordo com o levantamento da Conab, a safra 2019/20 de soja tem crescimento na área 2,6% maior que na última temporada.

    + leia mais


  • Escreva um comentário



  • *

    *
    *





  • Comentários (0)



  • Criação de sites