• Conjuntura
  • Bloqueio do Canal de Suez alerta para necessidade de estudo de rotas de exportação alternativas

    30/03/2021
    Especialistas alertam que estudo de rotas traz solução rápida para grandes imprevistos durante o trajeto das cargas.
    Navio encalhado no Canal de Suez.
     
    O navio que encalhou e bloqueou o Canal de Suez há quase uma semana voltou a navegar nesta segunda-feira (29) na principal ligação marítima entre a Ásia e a Europa, por onde passam cerca de 12% de todo o comércio global. O prejuízo, segundo empresas especializadas em comércio marítimo, passam de R$ 300 bilhões. Há 369 embarcações na fila à espera da liberação do canal. Mas de acordo com especialistas, tudo isso poderia ter sido evitado com um estudo de rotas eficiente.
     
    "Assim como ocorreu no Canal de Suez, muitos acontecimentos impossíveis de adivinhar  impactam na operação logística. Quanto maior o nível de planejamento e estudo, e quanto mais se tentar alcançar a previsibilidade nessas operações, menos surpresas negativas os players terão", analisa Helmuth Hofstatter, CEO da LogComex, startup líder no fornecimento de dados e inteligência para o comércio exterior.
     
    Custos
     
    Ainda segundo Hofstatter, muitos custos cobrados em uma operação de transporte internacional estão associados à escolha da rota, por esse motivo é necessário conhecer quais taxas são aplicadas em determinados locais e identificar onde isso ocorre com frequência. 
     
    "Além de pedágios, que são as mais comuns, existem outras taxas que são cobradas em determinadas regiões que estejam em guerra, por exemplo, ou em que exista alta incidência de roubo, ou lugares onde há dificuldade na atracação do navio. Para cada movimento não planejado que acontece existem custos: a taxa de congestionamento, a capacidade de eficiência de armazéns e terminais, a greve dos caminhoneiros. O estudo de rotas deve apresentar diferentes cálculos de viabilidade financeira, incluindo os fatores de risco e seus custos", diz.
     
    Para o especialista, uma das ferramentas para fazer esse planejamento é a utilização de big data na logística, tecnologia que auxilia o comércio exterior a ter mais previsibilidade nas operações. Por meio de softwares, o sistema coleta, organiza e apresenta uma grande variedade de dados que, transformados em informações, indicam uma melhor tomada de decisão para a escolha das rotas e para a negociação internacional, além de contribuir com o aumento da competitividade no mercado.
     
    “Justamente por episódios como esse do Canal de Suez é que exportadores e importadores devem estar atentos para driblar possíveis atrasos logísticos por meio da análise de dados para definição de uma nova rota nos próximos embarques ", explica.
     
    Para Pedro Souza, gestor de operações da Pinho Logística, especializada em comércio exterior e logística aduaneira, muitas vezes uma mercadoria percorrerá grandes distâncias no país até chegar no porto ou aeroporto em que será embarcada. Esse trajeto ocorre normalmente no modal rodoviário e, além disso, é comum na rota para outros países ainda necessitarem de transbordo (a troca da carga para outro navio).
     
    “Visto a complexidade a que uma exportação pode estar sujeita, nota-se a importância de estudar rotas logísticas e como isso pode beneficiar a operação nos seguintes fatores: gerenciamento de risco, análise de custos, visibilidade operacional, tempo de trânsito e sustentabilidade”, explica.
     
    Planos alternativos
     
    Segundo os especialistas, é muito difícil prever todos os tipos de riscos que podem ocorrer na logística, até porque essa atividade tomaria grande parte do tempo da equipe apenas para estudo, mas é necessário a criação de planos alternativos. "Essas ocorrências podem interferir no planejamento das rotas, por isso, é muito importante ter planos alternativos, deixar a equipe preparada para lidar com situações inesperadas e possuir um grande networking que possa auxiliar com outras soluções", diz Souza.
     
    Consequências para o Brasil e Europa
     
    Para Kamilla Pierin, custumer success da LogComex, o impacto do bloqueio no Canal de Suez também será sentido no Brasil a longo prazo. “As consequências a longo prazo, como a falta de containers, omissão e atraso de navios nos portos, nova alta de frete marítimo, podem nos afetar diretamente nosso país. Na Europa há risco de consequências mais diretas para a população, como a falta de suprimentos e equipamentos devido ao atraso dos navios”, analisa
     
    Sobre a LogComex
    A LogComex é uma startup especializada em inteligência de dados para importação e exportação. Por meio de plataforma online com tecnologia própria, a empresa fornece ao mercado maior transparência e automatização das operações de logística internacional. A plataforma coleta e processa milhares de dados para gerar uma visão panorâmica, indicando previsibilidade e transparência para toda cadeia logística. O programa tem como base as operações que ocorrem no Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e EUA. A plataforma ainda é dividida em três módulos: Tracking Real Time, RPA Automação/Integração e Big Data Analitycs. Para saber mais, acesse http://www.logcomex.com/
     
    Sobre o Grupo Pinho
    A Pinho oferece soluções logísticas com inteligência de mercado, unindo experiência e inovação. Pioneira no ramo de desembaraço aduaneiro, a Pinho iniciou suas atividades em 1937 e fez parte de grandes projetos nacionais, como a importação de peças para a Usina de Itaipu e para a Fábrica de Celulose da Eldorado. Ao longo de oito décadas, o grupo se destaca por ajudar a desburocratizar e otimizar processos no setor de comércio internacional para empresas, contando com sistema próprio de tecnologia para acompanhamento de cargas, além de oferecer frete internacional (marítimo e aéreo), frete rodoviário, seguro de cargas e recuperação de impostos. Grandes grupos empresariais estão entre os principais clientes da Pinho, que atua em todo o país e tem sedes nos estados de Santa Catarina, Paraná e São Paulo.
     
    Fonte: Registro Abertura com curadoria Boi a Pasto.


  • CAP disponibiliza curso gratuito de proteção de ruminantes e equinos em transporte de longa duração

  • CAP disponibiliza curso gratuito de proteção de ruminantes e equinos em transporte de longa duração

    + leia mais
  • Starrett troca plástico por papelão nas embalagens de Serra Manual e eliminará o consumo de 7,9 toneladas do material ao ano

  • Substituição reduzirá ainda em 25% as emissões de CO2; Objetivo da empresa é que todas as suas embalagens sejam sustentáveis

    + leia mais
  • IICA e Fundo Verde do Clima fecham parceria de US$ 100 milhões para projetos de redução das emissões de metano nas Américas

  • Para secretário de Inovação do Mapa, Fernando Camargo, iniciativa pode ajudar países a cumprirem meta de diminuir as emissões de metano na pecuária

    + leia mais
  • Lei de pagamento por serviços ambientais é incentivo para cuidar do pasto

  • Pesquisadores da Embrapa destacaram a ligação entre das boas práticas de manejo do pasto e a nova lei de pagamento por serviços ambientais

    + leia mais


  • Criação de sites