• Manejo
  • Abate de bovinos atinge em 2020 o menor nível desde 2011, diz consultoria

    17/03/2021
    Maior retenção de fêmeas por parte dos produtores foi o que levou ao abate de 22,19 milhões de bovinos no ano passado, 9,56% a menos que em 2019
    Foto: Divulgação.
     
    A margem da cria em alta estimula a retenção de fêmeas que, por sua vez, restringe ainda mais a oferta de animais, levando os números de abate brasileiros em 2020 aos menores patamares dos últimos cinco anos da série histórica, informam as analistas Bruna Giacon e Caroline Matos, da consultoria Agrifatto.
     
    Segundo informações registradas no SIF (Sistema de Inspeção Federal), foram abatidas um total de 22,19 milhões de bovinos em 2020, uma redução de 9,56% se comparada à quantidade de animais abatidas no ano anterior.
     
    Além da retenção de fêmeas, o atraso das chuvas também colaborou com a redução na quantidade de bovinos para o abate no ano passado, acrescentam as consultoras.
     
    Acompanhando o desempenho mensal do abate bovino brasileiro em 2020, observa-se que os meses de janeiro, fevereiro, novembro e outubro tiveram o pior índice dos últimos 5 anos. No entanto, o preço da arroba do boi gordo permaneceu firme ao longo do ano passado – a valorização acumulada ficou em 38,71% em 2020 em relação a 2019.
     
    Neste ano, os valores da arroba já registraram novos recordes, com negócios pontuais superiores a R$ 310/@. “Para 2021, ainda não há previsão de melhora para a oferta de matéria-prima, que segue escassa, pressionando ainda mais os abates para baixo”, observam as analistas. Em janeiro último, de acordo com números preliminares, já contabiliza a menor quantidade abatida dos últimos 10 anos, informam as analistas da Agrifatto.
     
    Fonte: Portal DBO com curadoria Boi a Pasto.
  • Agropecuária brasileira ajuda a salvar o planeta, reconhece a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima

  • A ILPF(integração lavoura-pecuária-floresta), a agricultura de precisão e a tecnologia baseada em ciência já levaram o Brasil ao ser um dos maiores exportadores globais de commodities.

    + leia mais
  • "O Reino de Agrus" se prepara para o futuro e intensifica a adoção de práticas sustentáveis e de bem-estar animal

  • Que ninguém duvide: em breve, a agronomia se casará com a ecologia. Não haverá vencedores. Haverá união", comenta o engenheiro agrônomo e doutor em Administração, integrante do FGVAgro, Prof. Xico Gra

    + leia mais


  • Criação de sites